• Mayra Fragiacomo

Um sonho de liderança


Sou uma profissional de recursos humanos ré confessa: me incomodo com alguns jargões corporativos. Acredito que muito em função de ter um senso altamente crítico que sempre se inclina a pensar que a maior parte das teorias tende a se diferir da prática.


Recentemente, em uma entrevista com um candidato (momento em que mais aprendo na minha carreira), ele me contou sobre seu “estilo de liderança”. Em sua livre definição, ele citou que “liderava por sonhos”.


Minha reação mental imediata foi achar um tanto quanto clichê, mas pedi que ele me explicasse melhor. Foi quando ele citou o livro em que aprendeu o conceito e me trouxe uma grande oportunidade de refletir: ele não focava mais no resultado que seu liderado poderia trazer para a empresa.


Desde que leu o livro, ele passou a focar nos sonhos de cada liderado, entendendo que uma pessoa que está em busca de seus sonhos pessoais trará, automaticamente, resultados no trabalho.


Óbvio que perguntei o nome do livro e mais óbvio ainda que eu o li. A publicação se chama “Empatia Assertiva: Como ser um Líder Incisivo sem Perder a Humanidade” e o título já diz muita coisa.


Escrito por Kim Scott, ex-executiva do Google, o livro defende a humanidade como base da liderança. Ela não fala em evitar confrontos com pessoas do time, mas, sim, de fazê-lo com uma abordagem assertivamente empática. Defende também a importância de um líder se preocupar pessoalmente com seus liderados. Traz cases de sucesso e orientações, entre tantos outros conceitos, sobre uma liderança por sonhos pessoais. Alguns deles: elogiar e criticar de forma empática, coesão na equipe é relevante, focar em metas pessoais pode garantir melhores resultados coletivos e nunca perder o lado humano em um ambiente corporativo.


Já estudei e conheci vários modelos de liderança, mas fazia tempo que eu não me encantava por uma teoria que me parecesse o caminho mais adequado para a prática.

Sigo achando e defendendo que a humanização, em qualquer situação relacionada ao trabalho, será sempre a melhor estratégia para o sucesso. Quanto aos resultados numéricos disso, assumo que não cheguei nesse ponto de reflexão, mas acredito piamente que trabalha, rende e alcança mais, e melhor, aquele que é respeitado, acolhido e tratado como, simplesmente, um ser humano!





Por Mayra Fragiacomo